simple site templates

Kit Branqs CLP/IHM para injetoras padrão

A melhor opção de CLP para sua injetora

Confira aqui os recursos do KIT CLP Branqs para Injetoras Padrão

Após 15 anos oferecendo tecnologia para automação de máquinas injetoras de alta complexidade, em 2020 a Branqs lança o KIT CLP/IHM para Injetoras Padrão, principalmente voltado para atender o mercado de máquinas injetoras mais simples. O kit apresenta um software versátil que permite adaptá-lo facilmente para controlar várias configurações de máquinas existentes no mercado.

Verifique abaixo os recursos existentes no kit. Clique em Guia Rápido de Instalação para ter acesso à lista de Entradas e Saídas disponíveis no CLP.

Siga abaixo para visualizar o "Manual de Uso" do kit e ter acesso aos recursos oferecidos no software. Visualize cada página e cada parâmetro da IHM.

Sua injetora ainda melhor

Tela inicial

Confira abaixo, as telas do KIT Branqs CLP/IHM para injetoras padrão

Tela Inicial

1

Descrição do software

Aqui você confere o número do programa instalado, qual sua versão e revisão. Estas informações facilitam a obtenção do suporte direto ao entrar em contato com a Branqs.

2

Senhas

Permite digitar a senha de uso e visualizar o nível de proteção ativo do usuário corrente. Este software possui diferentes níveis de senha para os seguintes tipos de usuários: Operador, Técnico de Manutenção, Gerente.

3

Sinóptico rápido

Em todas as telas você poderá ver as informações da posição real das réguas de injeção, molde, extrator e Unidade Injeção. Ainda no rodapé o sistema apresenta a função sendo realizada pela máquina, o estado do aquecimento, o estado do motor principal, o modo de operação da máquina e um campo rápido para indicação de alarme.

Alarmes

Alarmes ativos e descrição

18

Alarmes

Na tela de alarmes é possível visualizar todos os alarmes que estão ativos no momento. Cada alarme possui um texto descritivo indicando a causa de seu acionamento. Quando a condição do alarme voltar ao normal ele deixa de aparecer nessa tela.

Histórico de Alarmes

Histório dos alarmes acionados e alterações de parâmetros

19

Histórico de Alarmes/Eventos

Neste bloco ficam gravados todos os eventos que aconteceram no CLP, organizados por hora. Algumas das informações salvas incluem: Alarmes acionados; Troca de configurações e parâmetros da máquina; Horário que o CLP ligou e desligou; Trocas de nível de senha, entre outros.

20

Seleção do dia da semana

Através do teclado numérico ou pela tela touch, você pode selecionar o dia da semana que deseja mostrar no histórico. O histórico é mantido até a semana seguinte, então tudo que acontecer na segunda-feira é mantido até a próxima segunda-feira e assim em diante.

Manutenção

Configurações do modo de manutenção e lubrificação

21

Modo de Operação

Habilita o modo de operação "Manutenção".

22

Lubrificação

Configura de quanto em quantos ciclos a lubrificação vai atuar, e permite realizar um ciclo de lubrificação manualmente.

23

Vazões e pressões de manutenção

Aqui é configurado os valores de vazão e pressão que os movimentos irão obedecer se a máquina estiver no modo "Manutenção".

Ciclo

Tela de configuração de ciclos e visualização de tempos

24

Ciclo

Neste bloco é possível configurar um tempo limite de monitoração de ciclo, e também um retardo para reiniciar o ciclo quando trabalhando em modo "Automático". Também é possível visualizar a quantidade de ciclos feitos pela máquina.

25

Sinóptico

Neste bloco ficam armazenados os tempos dos movimentos durante ciclo automático, podendo visualizar quanto tempo demorou para completar cada passo do ciclo, e também o tempo total do ciclo.

Apontador

Apontador de produção diária e horária

26

Gráficos de produção diária

Neste bloco ficam armazenados a quantidade de ciclos produzidos pela máquina diáriamente. Esta informação é guardada por uma semana, zerando o seu valor sempre que chega o próximo dia equivalente, então toda segunda-feira o contador de segunda volta ao zero.

Fechamento

Configuração do fechamento do molde

27

Fechamento

Nesta tela é possível programar a posição de até 6 fases de fechamento, incluindo a fase de proteção e a posição de molde fechado, além de vazões e pressões para cada uma dessas fases.

28

Abertura

Assim como no fechamento, é possível programar até 4 fases de abertura e vazões e pressões respectivas para cada uma das fases. Além de poder programar a posição de molde aberto.

29

Tempos do molde

Neste bloco é possível programar um tempo de retardo para os movimentos de abertura e fechamento do molde durante o ciclo automático.

Extrator

Configurações do extrator hidráulico

30

Extrator

Neste bloco é possível configurar as posições de extrator avançado e recuado, além de uma fase intermediária. Também é possível programar suas pressões e vazões correspondentes.

31

Número de movimentos do extrator

Aqui é programado a quantidade de movimentos que o ciclo de extração irá fazer durante o ciclo automático. Cada avanço e cada recuo conta como um movimento.

32

Tempos do extrator

Neste bloco é possível programar tempos de retardo para o avanço e recuo do extrator. Também é possível programar a duração de avanço caso a máquina não tenha régua e nem sensor de extrator avançado.

Pneumáticos

Configuração dos extratores pneumáticos

33

Extrator Pneumático 1/2/3/4

Neste bloco é possível programar individualmente cada acionamento de extrator pneumático, incluindo duração, consenso e posição de acionamento. Também é possivel desabilitar por completo cada extrator que não estiver utilizando.

34

Consensos do Extrator Pneumático

É possível programar um total de 4 consensos de acionamento para cada extrator. Com essa programação o acionamento irá obedecer o consenso selecionado. Por exemplo, ao escolher o consenso 1 o extrator pneumático irá atuar durante o movimento de abertura. O parâmetro "posição de acionamento" obedece este consenso, podendo escolher em que parte da régua ele irá atuar caso exista a régua do movimento.

Machos

Configuração dos auxiliares da máquina

35

Macho 1/2

Neste bloco é possível fazer a programação individual de cada macho incluindo:

-Funcionamento por tempo;
-Consenso de avanço/recuo;
-Retardo e duração do movimento;
-Posição do molde de atuação do movimento;
-Vazões e pressões individuais para cada movimento.

Consensos de Machos

Tela descritiva com as opções de consenso dos machos

36

Consensos de Avanço e Recuo dos Machos

Nesta tela é exibida uma descrição sobre cada consenso possível para os moviementos dos machos. Cada texto é acompanhando de um número ao lado, este número é o que você vai utilizar na programação de consenso na tela de Machos.
Desta forma se você precisar que o avanço do macho 1 seja feito antes da abertura, basta procurar o número equivalente (Neste caso seria o número 8) e programar este valor na tela de machos no campo "Consenso de avanço".

É possível programar avanço e recuo com o mesmo consenso, porém neste caso o avanço sempre terá prioridade sobre o recuo. Isso significa que com o mesmo consenso o macho irá avançar primeiro e depois recuar.

Injeção

Configuração dos movimentos de injeção e dosagem

37

Injeção

Neste bloco é possível configurar os parâmetros de Intrusão, Preenchimento, Recalque e Resfriamento. Suas durações, pressões e vazões. Também é possível configurar se a passagem para o recalque será por tempo ou por posição.

38

Descompressão/Dosagem

Neste bloco é possível configurar os parâmetros de Descompressão Inicial, Dosagem e Descompressão Final. Suas pressões e vazões, e também as posições de atuação caso a máquina tenha régua. Se ela não tiver é possível programar as durações em segundos de cada fase.

Perfil de Injeção

Programação opcional de perfil de injeção e recalque

39

Perfil de Injeção

Neste bloco é possível programar um perfil de vazão para o movimento de injeção com até 10 fases programadas por posição. Este perfil é opcional e habilitável, se estiver desabilitado a injeção obedecerá a vazão programada na tela de Injeção.

40

Perfil de Recalque

Neste bloco é possível programar um perfil de pressão para o recalque, com até 5 fases programadas por tempo. Este perfil é opcional e habilitável, se estiver desabilitado o recalque obedecerá a pressão programada na tela de Injeção.

Aquecimento

Tela de configuração do aquecimento do material

41

Aquecimento

Nesta tela é possível visualizar a temperatura de cada zona de aquecimento além de programar a temperatura desejada individualmente para cada uma delas.

42

Banda de Alarme

Define o quanto a temperatura tem que desviar do desejado para o CLP acionar os alarmes de zona fria ou zona superaquecida.

43

Temperatura de conservação

A temperatura de conservação permite que você programe um valor desejado de temperatura quando a injetora estiver "parada". Ao habilitar a conservação, todas as zonas alteram seu valor de temperatura desejada para o informado durante o tempo programado. Dessa forma ao voltar a iniciar o trabalho com a máquina ela já está pré-aquecida, e pode iniciar a produção mais rápido.

Unidade de Injeção

Configuração do avanço e recuo da Unidade de Injeção

44

Avanço Unidade de Injeção

Neste bloco é possível programar o movimento de avanço da unidade de injeção. Ele possui duas fases com pressões e vazões distintas, e programação da posição final de cada fase.

45

Recuo Unidade de Injeção

Neste bloco é possível programar o movimento de recuo da unidade de injeção, a pressão e vazão do movimento, e a posição de unidade recuada. Caso a máquina não possua régua para o movimento o recuo é feito pela duração de recuo neste mesmo bloco.

46

Habilita recuo da unidade de injeção em automático

Esta habilitação permite que durante o ciclo automático a unidade de injeção recue após fazer o recalque. Se ela estiver desabilitada então a uniade de injeção não irá recuar durante o ciclo automático.

Agendamento

Define horarios que o software irá ligar e desligar o aquecimento

47

Agenda Aquecimento

Nesta tela é possível criar uma programação de horários em que o CLP irá ligar ou desligar o aquecimento automáticamente. Podendo escolher se irá somente ligar ou desligar, ou fazer ambas as funções nos dias escolhidos. A programação de horário é feita em HORA e MINUTO.

PID

Configuração do PID de aquecimento

48

Sintonia PID do aquecimento Zonas

Neste bloco é feita a habilitação individual de cada zona de temperatura. Se estas habilitações estiverem em "N" a zona é considerada desabilitada e sua saída correspondente não acionará. Também é possível programar os valores de PID individuais para cada zona quando necessário.

49

Sinais de Termopar

Neste bloco você pode definir que sinal de temperatura está sendo lido na entrada nº4 da placa de temperatura. Você pode optar também por deixar todas desabilitadas se não estiver usando nada nesta entrada.

Diagnose 1

Monitoramento de entradas e saídas digitais

50

Entradas/Saídas Digitais

Nesta tela é possível fazer o monitoramento dos sinais de cada placa digital do sistema, sendo 0(Zero) desacionado e 1(Um) acionado. Estes sinais são exibições do estado físico da placa, e não sofrem nenhum tipo de alteração via software.

Para as placas de entrada, quando é exibido 0 significa que não tem nenhum sinal elétrico chegando na entrada, e quando exibe 1 significa que está chegando 24V naquela entrada específica.

Para as placas de saída, o 0 significa que ela não está acionada, e 1 significa que o software está acionando aquela saída.

Diagnose 2

Monitoramento de entradas e saídas analógicas, temperaturas e teclado.

51

Entrada Analógica

Neste bloco é possível monitorar o estado sdas entradas analógicas do sistema. A coluna "Valor conv." mostra o resultado da conversão de tensão em milímetors.  A coluna "EA" exibe um valor em bit correspondente ao 0 a 10v que estão chegando na entrada, sendo que:

0 bits = 0 Volts
4000 bits = 10 Volts

Assim é possível monitorar o nível de tensão que está chegando na placa e fazer a verificação de que está instalado corretamente.

52

Saídas Analógicas

Neste bloco é possível monitorar o estado das saídas analógicas do sistema. As colunas "Valor prog." e "Valor linea." são referentes a programação em tela, e irão alterar de acordo com o movimento sendo realizado, então ao fazer o Fechamento estes valores irão mostrar o quanto de pressão ou vazão estão sendo enviados para a saída. Já a coluna "SA" mostra o valor em bit que está sendo enviado para a saída analógica, de forma que:

0 bits = 10 Volts Negativos
2048 bits = 0 Volts
4095 bits = 10 Volts Positivos

53

Botoeira Horizontal/Vertical

Este bloco mostra o estado de cada tecla da botoeira do sistema. O software já contempla os dois teclados possíveis e segue a mesma regra das placas digitais. Ao mostrar 0(Zero) significa que a tecla não está acionada e ao mostra 1(Um) significa que está acionada. Com esta informação você pode verificar o funcionamento do teclado por completo.

54

Entradas de Temperatura

Aqui é possível visualizar a temperatura que está sendo lida diretamente na placa. Com essa informação você pode confirmar que a instalação está OK, já que se tiver algum problema com os termopares não será exibido nenhum valor neste bloco.

Módulos

Monitoramento de comunicação dos módulos

55

Status, endereçamentos e habilitações

Neste bloco é especificado o status de comunicação de cada placa do sistema. A coluna "Status" pode indicar três informações:
Desab. quando a placa não está habilitada
ERRO quando a placa não está comunicando
Habilit. quando a placa está OK

Além dessa informação a coluna "J4-J3-J2-J1" indica a posição dos jumpers de endereçamento que cada placa deve ter, o quadradro preto em algum deles indica que ela precisa desse jumper na posição indica para funcionar corretamente.

56

Comunicação das placas

Este bloco é um bloco de diagnóstico, os valores mostrados aqui mostram informações importantes para averiguar a saúde da comunicação do sistema. O mais importante a se atentar é o primeiro valor "Número config. MCP". Um sistema com comunicação OK irá sempre manter um valor fixo e sem alterações, se este valor estiver incrementando significa que o sistema não está comunicando corretamente.

57

Habilitações IHM BC06

Estas habilitações acionam o funcionamento das placas de entrada e saída integradas na IHM. Quando estas habilitações estiverem em "S"(Sim) as entradas e saídas integradas estarão funcionando, do contrário elas permanecerão desacionadas.

58

BCIO

Este bloco é um bloco de diagnóstico, exclusivo para a comunicação das placas integradas. Em um sistema saudável este valor se manterá estável, e caso ele esteja incrementando significa que existe algum probema na comunicação destes módulos

Ajustes 1

Definições de senhas e limites, ajustes gerais da máquina

59

Senhas

Nestes campos você pode fazer a programação dos níveis de senha disponíveis na máquina. Nosso comando suporta até 4 níveis de senha, sendo o nível 4 o maior e 0 o menor. As senhas são numéricas e podem ter até 8 caracteres, e só podem ser alteradas por usuários de nível 3 ou 4.

60

Supervisões

Aqui ficam disponíveis os tempos de supervisão de segurança, disponíveis para o acionamento do motor e das seguranças hidráulicas e mecânicas(quando estas existirem na máquina). Esse é o tempo que o CLP espera pela confirmação desses acionamentos, caso ultrapasse esse tempo será exibido um alarme.

61

Ajustes

Neste bloco é possível fazer o ajuste de diversas programações da máquina, como a pressão máxima do sistema, limites de programação de temperatura, configuração das temperaturas do óleo entre outros

Ajustes 2

Prgoramação das réguas potenciométricas

62

Ajustes EA

Esta é a tela de configuração das entradas analógicas, onde você irá colocar a equivalencia dos movimentos. Ditando o tamanho das réguas instaladas, assim como os valores em bit minimos e máximos que são lidos na régua.
Para fazer isso mova a régua fisicamente até a posição mínima dela e coloque na coluna "Min EA" o valor medido em bit e na coluna "Min conv" o quanto isso vale em milímetros, normalmente zero.
Para o máximo é o mesmo procedimento, movendo a régua manualmente até a posição máxima, colocando o valor lido no "Máx EA" e colocando o tamanho total da régua no "Máx conv".

Ajustes 3

Linearizadores das saídas analógicas

63

Linearizadores

Neste tela é possível fazer a programação de linearização das saídas analógicas, visando assim corrigir a não linearidade das válvulas proporcionais. Os linearizadores permitem a programação de até 10 pontos diferentes, mas não obrigatoriamente é necessário utilizar os 10.

64

Pressões/Vazões de manut.

Para facilitar a linearização dos movimentos, alguns parâmetros de pressão e vazão ficam disponíveis nesta tela para poder fazer a alteração rápida deles e montar os linearizadores de forma mais eficiente.

Ajustes 4

Configuração da saida analógica programável

65

Programação do Inversor

Nesta tela você pode escolher quais movimentos da máquina irão acionar a saída analógica número 4, que é de programação livre. Para cada movimento você responde duas perguntas: Se habilita a saída para aquele movimento e se a saída será negativa(indo de 0 até -10 Volts).

Ajustes 5

Programação das saídas digitais de Bomba 1 e Bomba 2

66

Seleção de bombas

Nessa página é possível escolher os acionamentos que fazem as saídas digitais de bomba 1 e bomba 2 acionarem. Quando a habilitação do movimento estiver em "S" a saída correspondente irá acionar junto do movimento selecionado, podendo escolher se será acionado somente a Bomba 1 ou a Bomba 2, ou até mesmo acionar ambas ao mesmo tempo.

Configurações 1

Tela para definições dos estados normais para cada sensor digital

Configurações 1

4

Seleção NA/NF para os sinais de entrada

Nesta tela você define o estado normal de cada sensor ligado às entradas digitais do CLP.

O estado normal pode ser considerado como "normalmente aberto" ou "normalmente fechado", em referência à sua representação por intermédio de um "contato". O estado "normal" equivale ao estado do contato quando o sensor está "desacionado". Isso significa que um sensor "normalmente aberto" não aciona a entrada do CLP quando o sensor está "desacionado".

Este tipo de recurso é muito útil para adequar o funcionamento do CLP às diferentes configurações de máquinas encontradas no mercado.

Configurações 2

Definição dos tipos de sensores para o Molde

Configurações 2

5

Configuração de Fechamento/Abertura

Selecionar "S" (Sim) caso a máquina possuir uma régua potenciométrica para reconheceer a posição real do molde.

6

Opcionais de máquina com régua

Ao habilitar a "Régua" no parâmetro anterior, você pode selecionar funções opcionais para algumas entradas digitais. Aqui você define qual desses opcionais serão utilizados.

7

Sinais obrigatórios para máquinas sem régua

Caso a régua do movimento esteja desabilitada, os sinais descritos serão obrigatoriamente habilitados. Não podendo ser alterados.

Configurações 3

Definição dos tipos de sensores para o Extrator

Configurações 3

8

Configuração do extrator hidráullico

Selecionar "S" (Sim) caso a máquina possuir uma régua potenciométrica para reconheceer a posição real do extrator.

9

Opcionais de máquina com/sem régua

Dependendo da configuração anterior, você pode selecionar funções opcionais para algumas entradas digitais. Aqui você define qual desses opcionais serão utilizados.

10

Sinais obrigatórios para máquinas sem régua

Caso a régua do movimento esteja desabilitada, os sinais descritos serão obrigatoriamente habilitados. Não podendo ser alterados.

Configurações 4

Definição dos tipos de sensores para a Injeção

11

Configuração da Injeção

Selecionar "S" (Sim) caso a máquina possuir uma régua potenciométrica para reconheceer a posição real da injeção.

12

Opcionais de máquina com/sem régua

Dependendo da configuração anterior, você pode selecionar funções opcionais para algumas entradas digitais. Aqui você define qual desses opcionais serão utilizados.

13

Sinais obrigatórios para máquinas sem régua

Caso a régua do movimento esteja desabilitada, os sinais descritos serão obrigatoriamente habilitados. Não podendo ser alterados.

14

Tipo de Saída de Aquecimento

Você pode selecionar o tipo de saida digital de aquecimento. Os valores base estão descritos abaixo do campo. 3 segundos para relè de estado sólido e 20 segundos para contator.

Configurações 5

Definição dos tipos de sensores para a Unidade de Injeção

15

Configuração da unidade de injeção

Selecionar "S" (Sim) caso a máquina possuir uma régua potenciométrica para reconheceer a posição real da unidade de injeção.

16

Opcionais de máquina com/sem régua

Dependendo da configuração anterior, você pode selecionar funções opcionais para algumas entradas digitais. Aqui você define qual desses opcionais serão utilizados.

17

Sinais obrigatórios para máquinas sem régua

Caso a régua do movimento esteja desabilitada, os sinais descritos serão obrigatoriamente habilitados. Não podendo ser alterados.

Tels: +55 (13) 3232-6912 - +55 (13) 3296-1369 - +55 (13) 99169-4276 (Whats)
© Copyright 2020 Branqs - Todos direitos reservados